IPVA 2012 FICA EM MÉDIA MAIS BARATO NO PARANÁ - Saiba Mais

O Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2012 vai ficar, em média, 6% mais barato que o valor cobrado em 2011 no Paraná. A redução se deve à desvalorização dos veículos seminovos no País, como reflexo da queda do preço dos zero-quilômetros. 

 

O proprietário de um Volkswagen Fox 1.0 fabricado em 2008, por exemplo, vai pagar 11,32% a menos de IPVA este ano. Um Ford Ka ano 2009 teve redução de 6% no valor do IPVA 2012 em comparação com o ano passado. A tabela com os valores que servem de base para o cálculo do imposto foram publicadas semana passada no Diário Oficial do Estado. Contribuintes podem consultar no site do Detran (www.detran.pr.gov.br) ou da Secretaria de Fazenda (www.fazenda.pr.gov.br) o valor a ser pago. Basta digitar o número do Renavam. 

 

Pagamento 

O pagamento do imposto pode ser feito à vista, com 5% de desconto, até o dia 24 de fevereiro – a data varia conforme o último algarismo da placa. Também é possível dividir o débito, sem o desconto, em até cinco parcelas ou quitá-lo em parcela única a partir de 12 de março. A multa é de 0,33% ao dia até o limite de 10%. O pagamento pode ser feito em agências do Banco do Brasil, Itaú e demais bancos conveniados. 

Segundo a assessoria da secretaria, a arrecadação esperada para este ano com o pagamento do IPVA no Estado é de R$ 1,9 bilhão – 35% a mais que 2011, quando foi recolhido R$ 1,4 bilhão com o tributo. A frota tributável do Paraná é de 3,7 milhões de unidades – 7% maior que a do ano passado. 
As alíquotas praticadas no Paraná não sofreram mudanças: 2,5% para veículos em geral, 1% para ônibus, micro-ônibus, caminhões, veículos de aluguel e os que usam GNV. 

São isentos do pagamento do IPVA os táxis, os ônibus de transporte coletivo, os veículos de propriedade de deficientes físicos e os de uso exclusivo para transporte escolar, além dos automóveis com mais de 20 anos de fabricação e as motocicletas com motores de até 125 cilindradas fabricadas há mais de 10 anos.

 

Fonte: odiario