HOMEM CONHECIDO COMO "ZÉ DA TORRE" ATACA EM MARINGÁ

10/11/2011 08:40

 

Um homem passou quatro horas em cima de uma torre de telefonia na Avenida Gastão Vidigal, em Maringá, ameaçando se matar. A situação começou às 10h20 e terminou às 14h20, quando José Carlos Conceição, 29 anos, desceu e foi levado em uma Kombi a uma igreja evangélica.

O homem é reincidente nesse tipo de ação e ficou conhecido na Bahia como "o golpista da torre" e "Zé da Torre". Ele aparece em reportagens de sites de jornais baianos também ameaçando se atirar de cima de torres de telefonia.

A cena em Maringá mobilizou bombeiros, policiais militares, agentes da Setran e atraiu dezenas de curiosos. Muitos moradores passaram a manhã na calçada à espera da solução do caso. "É uma palhaçada", reclamou um deles.

"Pula logo", gritava o outro. Furioso com a provocação, Conceição atirou um pedaço de garrafa de vidro na direção daquele que torcia pelo salto -- e errou. "Pula de uma vez", desafiou novamente o alvo da garrafada.

A antena fica em um terreno na esquina da Gastão Vidigal com a Rua Terra Boa. A área tem portão e é trancada com cadeado, mas Conceição teve acesso à torre depois de ameaçar um técnico de uma empresa de telefonia que estava no local para a manutenção da rede.

 

Leo Castro

José foi embora na Kombi de uma igreja após ameaçar se jogar de torre

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Descalço e sem camisa, escalou 20 metros da antena – que tem 80 –, ameaçou pular e disse que só aceitaria negociar na presença de comandantes da PM e dos Bombeiros, assistente social, policial civil e promotor.

O homem exigiu também a vinda do vereador Belino Bravin Filho (PP), que apareceu no local minutos depois. "Eu conheço esse cara, ele é educado e trabalhador. Já me pediu ajuda e volta e meia toma café e água na Câmara (de Vereadores)", disse.

 

Essa passa
"Pedimos que ele não faça 
mais isso em Maringá,
porque na segunda vez não
terá nova chance"
Radamés Luciano Vinha
Capitão da Polícia Militar

Conceição contou que é de Salvador, chegou terça-feira em Maringá, escalou a torre para reivindicar seus direitos e que não era a primeira vez que se arriscava em antenas. "Já fiz isso em Medianeira e Curitiba", berrou lá de cima.

 

"Eu tô chateado e vou botar fogo no meu corpo". Ele chegou a enrolar uma corda no pescoço. Dois quarteirões da Avenida Gastão Vidigal tiveram de ser isolados.

Conceição só decidiu descer (sem se jogar) depois de ouvir pastor, psicóloga e assistentes sociais. "Ele está com medo de ser preso e de apanhar", afirmou a psicóloga Michele Rosa de Melo. A polícia deu um ultimato a Conceição assim que ele botou os pés no chão.

"Pedimos que ele não faça mais isso em Maringá, porque na segunda vez não terá nova chance", disse o capitão da PM, Radamés Luciano Vinha. O homem não foi preso porque ninguém prestou queixa.

Fonte: Odiario

—————

Voltar